Classes C e D foram as que mais abriram loja virtual em 2015.

em mai 17, 2016:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.

O micro e pequeno empreendedor digital no Brasil busca informações sobre a área pela internet, está otimista para 2016 e pretende investir mais em marketing e produtos como estratégia para se destacar dos concorrentes no mercado.

Estes são alguns resultados da pesquisa que mapeou o perfil do micro e pequeno empreendedor digital, realizada pelo segundo ano pela plataforma de e-commerce mais popular do Brasil, Loja Integrada (www.lojaintegrada.com.br), que entrevistou 1056 lojistas virtuais de todo o país no mês de fevereiro e março.

A pesquisa apontou que este lojista é jovem – têm entre 20 e 29 anos, 71% são homens e a maioria casados e sem filhos – e escolarizado – 40% participam de cursos livres, 37,7% se informam por meio do Sebrae e cerca de 32% frequentam palestras, cursos e workshops voltados para o e-commerce.

Sobre a atuação no mundo do empreendedorismo digital, mais de 62% possuem sua loja virtual há pelo menos um ano e investiram inicialmente R$ 1 mil. “A pesquisa mostra que o ano passado foi um bom ano para ingressar no e-commerce. Para 2016, os lojistas estão otimistas, buscando alternativas para crescer”, explica Adriano Caetano, especialista em comércio eletrônico e diretor da Loja Integrada.

A principal motivação para abrir uma loja virtual foi o sonho de se tornar empreendedor e, para 35%, o e-commerce foi uma alternativa para complementar a renda. “Quase 29% dos entrevistados são da classe D, seguidos por C. Isso mostra que as pessoas viram no e-commerce uma oportunidade. Como exige pouco investimento inicial e os riscos são baixos, isso permite que o lojista experimente, arrisque. Percebemos que a loja virtual começa como uma alternativa de renda e, com o crescimento, torna-se a fonte de renda principal”.

Como estratégia para divulgação de produtos, 83% aposta na rede social Facebook e 53% já utiliza o WhatsApp como ferramenta de venda e divulgação. Já a estratégia que mais traz retorno em vendas é o Facebook, seguido de campanhas no Adwords.

Ainda de acordo com o levantamento, 68% dos lojistas estão mais felizes com a vida após dedicar-se ao e-commerce e 44% das pessoas acreditam que ganharam mais liberdade ao abrir seu próprio negócio, seguido por autoestima e tempo.

Para 2016, 85,6% estão otimistas com o crescimento do seu negócio e 77% pretende investir mais em marketing e produtos para a sua loja.

Perfil do micro e pequeno empreendedor digital no Brasil

1.056 lojistas virtuais de todo o Brasil – Pesquisa Loja Integrada, plataforma de e-commerce mais popular do Brasil, com 300.000 mil lojas criadas.

Meio: Questionário Internet

71,3% dos empreendedores são homens; 28,7% mulheres;

39,7% têm entre 20 e 29 anos e 37,7% de 30 a 39 anos;

49,9% dos lojistas são casados e 45% são solteiros;

53,5% não possui filhos, 46,5% sim;

31,7% dos entrevistados têm nível de ensino superior completo (13% com pós-graduação) e 25% têm superior incompleto;

62,4% trabalham com e-commerce há pelo menos 1 ano;

57% concilia a loja com outro emprego, 25,8% trabalha exclusivamente na loja virtual e 16,9% tem loja física;

55,9% trabalha sozinho, 19,8% com o marido e 11,6% com alguém da família;

Renda Familiar: A maioria é da Classe D (28,4%), seguida pela Classe C (25,4%) e Classe E (22,0%);

45,7% dedica de 1 a 3 horas na loja virtual, 22,8% de 3 a 5 horas e 12% de 5 a 8 horas;

Os segmentos mais escolhidos em 2015 foram: Vestuário (23,3%), Cosmético e Perfumaria (9,9%) seguido por acessórios de moda (6,5%);

51,4% dos empreendedores escolheram a área de atuação da sua loja ao identificar uma oportunidade no mercado e 43% afirmaram ser uma área que gosta de trabalhar;

70% investiram inicialmente R$ 1 mil;

47% dos empreendedores buscaram informações na internet antes de abrir sua loja. 24,5% se especializou por meio de cursos;

Para aprimorar seu negócio, 40% dos lojistas participam de cursos livres, 37,7% se informam por meio do Sebrae e cerca de 32% frequentam palestras, cursos e workshops voltados para o e-commerce;

Estratégia para divulgação de produtos: Facebook (83%), WhatsApp (53,3%) e Instagram (45,4%);

Estratégia com mais retorno em vendas: Facebook, Adwords e e-mail marketing;

Motivações para empreender: 45,8% sonhava em ser empreendedor e ter o próprio negócio, 35,2% precisava ganhar mais dinheiro e 29% identificou um nicho de mercado;

68% dos lojistas estão mais felizes com a vida após dedicar-se ao e-commerce;

44% das pessoas acreditam que ganharam mais liberdade ao investir no e-commerce, seguido por autoestima e tempo;

Para 47% dos entrevistados, se destacar do concorrente e oferecer um diferencial é a maior dificuldade em ser um empreendedor digital hoje;

33% dos lojistas apostam na criatividade pessoal como qualidade para se destacar dos concorrentes;

85,6% estão otimistas com o ano de 2016 e 77% pretende investir mais em marketing e 66% em produtos para a sua loja.

Fonte: Investimentos e Notícias

veja também:

Como obter um diferencial e recompensar os clientes do seu e-commerce

Por: Alejandro Vásquez, cofundador da Nuvem Shop e diretor de CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo3

Geração “Y” de consumidores demanda muita atenção de varejistas

Por: Juan Pablo Uma estratégia móvel robusta nos dias atuais CONTINUAR LENDO…

Consumidores multicanal: a nova tendência do varejo

Por: Pedro Ivo Martins O consumidor mudou, online e offline CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo

5 métricas fáceis de analisar que ajudam a crescer uma fan page

Por: Camila Porto As principais dificuldades apresentadas pelos empreendedores e CONTINUAR LENDO…

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

Calendário