Gamificação: Como fazer? – Parte 1

em mar 10, 2014:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.
Views688
Gamification

Esse é o primeiro de dois artigos (confira o segundo) sobre como fazer uma gamificação funcional. O projeto foi escrito por Karl Kapp, professor de tecnologia e internacionalmente conhecido por seus dois livros sobre gamificação, ambos em conjunto com a ASTD.

 

Imagine-se responsável pela tarefa de “gamificar” alguns de seus programas de treinamentos: por onde começar? Como você inicia o pensamento de utilizar game-thinking e elementos de jogos para criar instruções que engajem? Como faz?

A primeira coisa a ponderar é que gamificação não é uma metodologia dirigida pela tecnologia, devemos pensá-la como uma metodologia de design.  Não pense em adicionar tecnologias para resolver seus problemas, pense em gamificação como um modo de redesenhar suas instruções para parecer mais como um game.

Isso significa que para começar você deve adicionar histórias, inicia suas instruções com um desafio e crie um ambiente que pareça com um jogo. Nem para criar histórias, nem para criar desafios é preciso adicionar tecnologias ou qualquer mudança sobre as ferramentas que você já está utilizando.

Isso também significa que será necessário um pouco de seu tempo para educar as pessoas sobre o conceito que você pretende implementar. Em alguns casos, as pessoas acham que gamificação é a utilização de jogos reais – jogos educativos. Em outros casos, elas pensarão na adição de pontos, rankings, prêmios, e temos também quem verá esse redesign do processo com temas, interatividade e feedbacks.

Não temos uma definição certa e outra errada, todo mundo na organização precisa concordar em qual tipo de abordagem significa ou representa melhor sua empresa. Eu penso que a gamificação se trata de um contínuo, como do espaço-tempo, mas nesse caso de um lado temos um jogo 100% imersivo, de alta qualidade e em 3d; e no outro temos a adição de eventos e um sistema que facilita o aprendizado.

Você pode também classificar a gamificação, de modo a  alterar o conteúdo do processo para parecer mais como um jogo. Isso pode ser alcançado com elementos de pontuação, objetivos, insígnias para motivar os “jogadores” através do conteúdo. Ambos os meios são plausíveis, mas é necessário determinar qual dos dois é mais pertinente para qual caso – assim como todas as estratégias de instruções.

Trabalhe para desenvolver uma definição que possa ser articulada e demonstrada aos seus stakeholders, quanto mais exemplos, amostras, e cases você possa mostrar melhor.

Uma vez que você tenha estabelecido a(s) definição(ões) para a utilização do conceito em sua empresa você pode começar a compartilhar as expectativas que o processo trará. Adicionar a gamificação ao seu leque de ferramentas simplesmente por ser divertido, diferente ou legal não é o caminho correto para seguir. Gamificar o processo para engajar, oferecer frequência de impacto do conteúdo e alcançar mudanças comportamentais de seu target são as coisas que você pretende alcançar, esse é o objetivo do negócio.

 Resumindo: Gamificação deve ser sobre dirigir a aprendizagem e a mudança de comportamento, mantenha isso em foco e você será bem sucedido.

No próximo post discutiremos as melhores práticas na implementação da gamificação

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

One Comentários

eNext Dashboard

eNext Dashboard

SLI Systems

SLI Systems

Calendário

 
JUL 25