Na hora de comprar, brasileiro escolhe até três parcelas

em ago 01, 2016:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.
Artigo  contéudo4

Com a instabilidade econômica ainda pautando as decisões dos consumidores e varejistas brasileiros, a venda à vista ou com poucas parcelas torna-se a modalidade preferida de pagamentos. As transações feitas em até três vezes tiveram um crescimento de 14% no primeiro semestre de 2016.

A conclusão é da pesquisa informativa realizada pela Equals, especializada em gestão e conciliação de vendas com cartões de crédito e débito. A empresa analisou as transações de 7 mil pontos de vendas (físicos e online), espalhados em todas as regiões do Brasil no primeiro semestre de 2016. O levantamento processou 109 milhões de transações, com um total de R$ 19,1 bilhões em vendas.

A opção de parcelamento em até três vezes foi a mais utilizada no período, correspondendo a 56% das transações – no primeiro semestre de 2015, por exemplo, foi de 49%. “A redução do poder de compra do consumidor faz com que a maioria das pessoas fuja das taxas cobradas pelos cartões, além do próprio lojista estimular a venda à vista por conta do custo menor”, confirma Fabrício Costa, diretor de novos negócios da Equals.

Dessa forma, o custo financeiro (valor pago pelos lojistas às operadoras de cartões) teve uma ligeira queda no primeiro semestre de 2016. As vendas em uma parcela tiveram uma taxa de 1,40%, contra 1,44% no mesmo período de 2015. Já as transações feitas em dez parcelas ficaram em 2,22%, ante 2,25% no ano passado. Na média, os primeiros seis meses tiveram um custo médio de 1,87% – em 2015 foi de 1,99%.

Antecipação de recebíveis

O recurso, que faz a empresa receber à vista suas vendas parceladas, registrou pouca variação entre 2015 e 2016. No primeiro semestre deste ano, a taxa média das operações foi de 2,64%, contra 2,60% no ano anterior. Já o volume antecipado atingiu 41% do volume de vendas no período, ou seja, R$ 7,8 bilhões – um pouco menos do que em 2015, quando correspondeu a 43% do total.

“O levantamento percebeu uma redução considerável nas antecipações de recebíveis a partir do segundo trimestre deste ano. Isso indica que após um começo de ano difícil e com muitas contas, o fluxo de caixa das empresas parece estar retomando o fôlego para o segundo semestre”, conclui Costa.

Fonte: E-commerce Brasil

veja também:

Como obter um diferencial e recompensar os clientes do seu e-commerce

Por: Alejandro Vásquez, cofundador da Nuvem Shop e diretor de CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo3

Geração “Y” de consumidores demanda muita atenção de varejistas

Por: Juan Pablo Uma estratégia móvel robusta nos dias atuais CONTINUAR LENDO…

Consumidores multicanal: a nova tendência do varejo

Por: Pedro Ivo Martins O consumidor mudou, online e offline CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo

5 métricas fáceis de analisar que ajudam a crescer uma fan page

Por: Camila Porto As principais dificuldades apresentadas pelos empreendedores e CONTINUAR LENDO…

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

Calendário