Qual modelo de gestão de estoque é ideal para seu e-commerce?

em jun 30, 2016:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.
Artigo  contéudo

Se você possui uma loja virtual, então já sabe que um processo logístico bem organizado é indispensável para o crescimento sólido do seu empreendimento. No e-commerce, especificamente, um controle de estoque eficaz está diretamente ligado à satisfação dos clientes que recebem seus produtos dentro da expectativa gerada durante o processo compra.

Algumas estratégias podem te ajudar a garantir uma gestão de estoque eficiente em diferentes modelos de atuação.

Estoque tradicional
O estoque tradicional geralmente é mais indicado quando se tem uma demanda recorrente de pedidos que exige um acompanhamento mais próximo.

Nesse modelo de gestão, ter um espaço físico para armazenamento dos produtos é imprescindível. Ele pode pode ser incorporado nos seguintes formatos:

1. Estoque físico
Um local específico para estocar, conforme demanda, os produtos que você comercializa.

Vantagens: lojas que possuem um grande número de pedidos podem aderir a essa estratégia para controlar toda a operação e garantir a entrega mais depressa.

Desvantagens: alta aquisição e pouca saída devido a algum imprevisto pode gerar uma sobra de estoque e, consequentemente, perdas financeiras. Esse problema pode ser resolvido com algumas ações de emergência para comercializar produtos parados em estoque.

Estratégia: para garantir o controle do processo nesse formato, acompanhe de perto as tendências de consumo dos clientes para evitar a compra de produtos que, eventualmente, poderão ter uma baixa procura.

2. Estoque compartilhado
Esse formato consiste em dividir o estoque utilizado na loja física com a loja virtual. O armazenamento dos produtos funciona da mesma forma do estoque físico.

Vantagens: investir somente em um espaço para armazenar e gerir o estoque de duas operações diferentes.

Desvantagens: é preciso ter atenção redobrada para não misturar a gestão do estoque de ambas operações.

Estratégia: para gerir um estoque compartilhado eficaz, utilize uma ferramenta que atualize os pedidos em tempo real e, assim, diminua as chances de erros no controle.

Estoque consignado
Esse é um formato bastante utilizado por empreendedores por facilitar o processo de armazenamento dos produtos. Dentro dessa modalidade existe um acordo entre lojista e fornecedor que possibilita, dentre outros benefícios, a devolução de produtos que não tiveram boa saída.

Vantagens: o risco e os custos para o empreendedor são muito menores, afinal, ele não terá prejuízos devido ao investimento em aquisição de um grande volume de produtos.

Desvantagens: esse é um formato que não se encaixa para todos os segmentos, pois somente produtos com longa data de validade ou alta sazonalidade podem entrar nessa modalidade.

Estratégia: o fornecedor precisa ser confiável. Qualquer problema que acarrete no atraso do envio ou na falta de entrega do produto, quem irá responder é a sua marca, que pode perder a credibilidade com seus clientes.

Manter um estoque mínimo é uma boa estratégia para driblar esses possíveis imprevistos.

Estoque terceirizado
Este é o formato ideal para e-commerces que desejam otimizar o espaço de armazenamento. Pode ser incorporado em dois formatos:

1. Drop Shipping
Integrado com um fornecedor geralmente de fora do país (que paga menos imposto, por exemplo), que será responsável pela gestão de estoque. Nesse formato, cada novo pedido recebido na loja virtual será redirecionado para o fornecedor, que terá a responsabilidade de enviar o produto diretamente ao cliente final.

Este modelo é considerado por muitos ilegal no Brasil. Principalmente por, de maneira geral, não deixar os procedimentos às claras, sem contar a desigualdade de condições tributárias.

2. Cross Docking
Trata-se de uma prática logística onde a loja 1 vende o produto mas não possui o item em estoque. Um sistema de back office consulta o estoque da loja 2 e consolida o pedido após a confirmação de pagamento. A loja 2 fatura e despacha o produto para a loja 1 que por sua vez envia ao consumidor.

É exatamente o modelo que Americanas e Netshoes trabalharam no início:

Vantagens: a principal vantagem é a otimização e redução de custo com o espaço para armazenar e gerenciar o estoque.

Desvantagens: falta de controle direto ao estoque e prazos mais longos para a entrega.

Estratégia: para que esse formato funcione, invista em uma plataforma de e-commerce que possibilite a integração ao controle de estoque. Além disso, estabeleça um contrato com fornecedores que realmente sejam confiáveis e tenham a responsabilidade de fazer toda a logística incluindo troca, devolução e embalagem com a mesma qualidade que você faria.

Nota: Não confundir cross docking (venda com estoque de terceiros) com cross border (compra de sites internacionais).

Dessa forma, mesmo que os produtos não sejam enviados diretamente por você, a qualidade e a expectativa geradas no início da compra em sua loja virtual se mantêm até o recebimento do pedido. Informe sempre muito bem seus prazos e certifique-se que sempre serão cumpridos.

Fonte: Profissional de Ecommerce

veja também:

Como obter um diferencial e recompensar os clientes do seu e-commerce

Por: Alejandro Vásquez, cofundador da Nuvem Shop e diretor de CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo3

Geração “Y” de consumidores demanda muita atenção de varejistas

Por: Juan Pablo Uma estratégia móvel robusta nos dias atuais CONTINUAR LENDO…

Consumidores multicanal: a nova tendência do varejo

Por: Pedro Ivo Martins O consumidor mudou, online e offline CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo

5 métricas fáceis de analisar que ajudam a crescer uma fan page

Por: Camila Porto As principais dificuldades apresentadas pelos empreendedores e CONTINUAR LENDO…

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

Calendário