Quem vende o “verdadeiro Pixuleco”? Na internet, comércio divide movimentos

em mar 31, 2016:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.

Diante do sem-número de grupos que pedem o fim do governo da presidente Dilma Rousseff,  existe uma questão a ser resolvida envolvendo uma “sopa” de siglas: a “paternidade” do Pixuleco, boneco inflável que faz referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A versão grande do boneco foi inflada pela primeira vez em Brasília, durante manifestações em agosto de 2015. Desde então, a figura foi vista em diversas cidades do Brasil e ganhou versões em miniatura, que podem ser compradas na internet ou até nas mãos de camelôs durante as manifestações mais recentes. A expressão “pixuleco” virou sinônimo de propina nos autos da Operação Lava Jato e evoluiu para o “Lula inflado”.

Mas você sabe quem é o responsável oficial pelos pequenos Pixulecos à venda na internet? O boneco grande é de responsabilidade do Movimento Brasil (MBR). No entanto, a repercussão da iniciativa gerou as diversas miniaturas – e é aí que começa a disputa pela paternidade.

Entenda a briga para saber quem é o dono do “DNA” do boneco.

Afinal, quem é o pai?

O site Pixuleco Oficial anuncia-se como “única loja autorizada pelos criadores, o Movimento Brasil e a União dos Movimentos de Brasília (UMB)”. Segundo Alessandro Gusmão, responsável pelo MBR, a página foi criada “para evitar que a gente perca o controle”.

E é no tal controle que entra a União dos Movimentos de Brasília (UMB), associação que aglutina sete movimentos contra o governo Dilma Rousseff (incluindo o MBR) e que também autoriza a produção e a venda das miniaturas do boneco no site. De acordo com Gusmão, vários outros movimentos reproduzem o boneco de Lula sem autorização.

“Eles querem produzir, aí entram em contato com a empresa que fabricam. Mas começou a banalizar o trabalho que a gente estava fazendo. A gente entrou em contato com fornecedores para evitar justamente isso”, explicou Gusmão, que diz que as miniaturas sem autorização são vendidas desde agosto de 2015. “Como é que você quer combater a corrupção com isso? É quase como enxugar gelo.”

Entretanto, além do site autorizado por MBR e UMB, há outra página que assegura ter a versão original do boneco: a Pixulecos.com.br, ligada ao Movimento Brasil Democrático (MBD). Segundo Vítor Santisteban, responsável pelo e-commerce, os bonecos vendidos por seu site contam com autorização do mesmo MBR para vender bonecos de Lula, Dilma Rousseff e do juiz Sérgio Moro.

“Tem muita gente que se intitula oficial, [mas] não é oficial. O meu, eu tenho autorização de quem fez o desenho do Lula para fazer – tanto do Lula quanto da Dilma e do Moro”, diz Santisteban, cujo movimento não é associado à UMB. “A gente trabalha como oficial. Oficial mesmo é quem desenhou o lá de Brasília, lá do MBR. Foram eles que fizeram aquele Pixulecão”, explica.

Movimentos discordam de vendedores

A discordância a respeito do caráter oficial dos sites não é a única divisão entre os movimentos. Há outros pontos de cisma entre os comerciantes de Pixulecos – entre eles, o comércio de vendedores ambulantes em manifestações.

Segundo Alessandro Gusmão, a venda de miniaturas do boneco Lula em eventos por todo o Brasil é benéfica para a imagem dos protestos.

Já Vítor Santisteban, do MBD, vê prejuízo no financiamento de campanhas diante da concorrência de camelôs em protestos. Ele reclama de “uns bonecos pequenininhos, fora de padrão, sem autorização”. “Esses bonecos acabam sustentando os movimentos. Eles meio que prejudicam as manifestações em si”, diz.

O MBR explica não comercializar oficialmente as miniaturas, apenas autoriza a venda no site. Já o MBD contabiliza as vendas de seu site, no qual o do juiz Sérgio Moro – responsável pela Operação Lava Jato – tem sido o mais procurado.

“Quando tem alguma coisa, como prisão [condução coercitiva, na verdade] do Lula, chegamos a vender quase 2.000 bonecos em um dia só. Mas em média vende 10 mil por mês”, diz Santisteban.

Como escrito acima, enquanto cada um defende o seu, todos acabaram tabelando o preço do boneco em R$ 20 (mais despesas com frete).

Fonte: Uol

veja também:

Como obter um diferencial e recompensar os clientes do seu e-commerce

Por: Alejandro Vásquez, cofundador da Nuvem Shop e diretor de CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo3

Geração “Y” de consumidores demanda muita atenção de varejistas

Por: Juan Pablo Uma estratégia móvel robusta nos dias atuais CONTINUAR LENDO…

Consumidores multicanal: a nova tendência do varejo

Por: Pedro Ivo Martins O consumidor mudou, online e offline CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo

5 métricas fáceis de analisar que ajudam a crescer uma fan page

Por: Camila Porto As principais dificuldades apresentadas pelos empreendedores e CONTINUAR LENDO…

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

Calendário