Vendas por smartphones e tablets vão gerar R$ 10 bilhões de receita

em fev 26, 2016:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.
mobile-browse-street

As vendas por smartphones e tablets vão responder por 20% da receita do comércio eletrônico brasileiro em 2016, que tem um faturamento projetado de 44,6 bilhões. No ano passado, as vendas móveis representaram 12% do faturamento no ano e 14,3% apenas no mês de dezembro. “Não temos mais dúvidas que o dispositivo móvel é a chance de crescimento e de saída para esse momento econômico desfavorável é o dispositivo móvel, em especial o smartphone. Todo mundo quer ter um e quer estar conectado”, diz Pedro Guasti, da E-Bit.

A massificação do 3G e do 4G vai acelerar a tendência de comprar pelo smartphone, em especial, no interior do país, mas há questões relevantes para ser tratadas o quanto antes pelo Varejo. A principal delas é que a maior parte não tem um site específico para o dispositivo móvel. Muitas, mesmo as grandes, não têm aplicativos para simplificar a aquisição dos produtos.

“Hoje boa parte das compras móveis acontece com conexões WiFi porque o usuário não confia na conexão móvel para fechar a sua transação. Com o 3G e o 4G massificados, essa tendência pode mudar e muitos usuários deixarem de fazer apenas consultas para concluir uma aquisição”, pondera André Dias, diretor-executivo da E-Bit/Buscapé.

No varejo tradicional o smartphone é uma estrela nas vendas online. Em 2015, o segmento de telefonia cresceu 45%, muito em função da disputa dos fornecedores de smartphones. “Houve uma guerra de preços entre os fabricantes e, no ano passado, a Motorola (MotoX/Lenovo) superou a Samsung na preferência das vendas online”, informa ainda Dias.

A integração maior do varejo físico com o online é uma necessidade imediata, mas os varejos online (Internet) e o móvel ainda são vistos de forma ‘secundária’ nas estratégias dos grandes varejistas. “A parcela de receita advinda da mobilidade já deveria despertar atenção especial do varejo brasileiro. A venda por aplicativo próprio respondeu por 3% em 2015 e deverá dobrar em 2016 e há muito, muito para crescer. Mas a hora de desenvolver modelo de negócios é agora”, adverte Pedro Guasti.

Um dos pontos importantes da 33ª edição Webshoppers é a mensuração da satisfação do cliente com a compra online – sempre considerado um calcanhar de Aquiles na relação consumidor x empresa. Pelo estudo, a maior parte do varejo está levando, em média, 10 dias para entregar os produtos contratados e houve uma redução significativa das reclamações.

Muito, explica Guasti, em função da redução do frete grátis para o frete pago. “Esse alinhamento garante mais a entrega do produto e o índice de satisfação cresceu para 65% entre os consumidores. Ainda temos problemas com a logística, que é um investimento muito caro, mas melhorou bastante”, acrescenta o diretor da E-Bit.

Fonte: Convergência Digital

veja também:

Como obter um diferencial e recompensar os clientes do seu e-commerce

Por: Alejandro Vásquez, cofundador da Nuvem Shop e diretor de CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo3

Geração “Y” de consumidores demanda muita atenção de varejistas

Por: Juan Pablo Uma estratégia móvel robusta nos dias atuais CONTINUAR LENDO…

Consumidores multicanal: a nova tendência do varejo

Por: Pedro Ivo Martins O consumidor mudou, online e offline CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo

5 métricas fáceis de analisar que ajudam a crescer uma fan page

Por: Camila Porto As principais dificuldades apresentadas pelos empreendedores e CONTINUAR LENDO…

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

Calendário