Walmart considera integrar operações física e online no Brasil

em out 31, 2016:por

Redação Next Ecommerce

O Nextecommerce é um canal para compartilhar idéias sobre as tendências e novidades que encontramos e produzimos no mercado.
artigo-conteudo

O Walmart considera a hipótese de integrar sua operação de venda física e e-commerce no Brasil, repetindo o formato já operado no mundo. O plano de reformulação de seus 130 hipermercados prevê a reserva de uma área para desenvolver o “click and collect”, local onde o cliente retira o produto comprado no site. Hoje, as lojas físicas e comércio eletrônico do grupo operam separadamente, como empresas distintas.

“Já temos algumas trocas, mas entendemos que isso pode ser aprofundado”, diz Flávio Cotini, presidente do Walmart no Brasil. “Estamos trabalhando em etapas.”

Primeiro, o executivo está se concentrando no projeto de transformação dos hipermercados. A ideia é mudar sua operação no Brasil, sem trair os pilares estratégicos do grupo. Isso quer dizer ser fiel ao modelo de “preço baixo todo dia”. O Walmart consegue, em certos casos, ser agressivo em preço porque tem custo baixo. Por isso, no plano de “reinvenção”, tem que montar um novo modelo no país sem que a operação se torne cara.

Nas lojas reformadas continuam sendo replicados conceitos básicos. Na unidade de Barueri, há uso de pallets nas gôndolas e de caixas de papelão, que funcionam como espécies de prateleiras. O piso que cobre o chão é o mesmo da loja antiga. Todos os freezers tem portas fechadas.

“A ideia de sermos espartanos continua. As negociações com indústria [de redução de custos para repasse aos preços] atinge mais de 80% da nossa base de produtos nas lojas. Com a ‘reivention’, a ideia é ter ainda mais giro, mais escala, e vender mais com preço melhor”, diz o presidente.

Para 2016, a ideia é fechar com investimentos totais na faixa de R$ 1 bilhão, mesma soma prevista para 2017 – incluindo reformas, treinamentos, tecnologia, entre outros. O plano é ser cauteloso em inaugurações. “Muita gente nesse mercado investiu demais, abriu muita loja, contando com uma base de vendas que não veio. Isso não se sustenta”, disse.

Fonte: Valor Econômico 

veja também:

Como obter um diferencial e recompensar os clientes do seu e-commerce

Por: Alejandro Vásquez, cofundador da Nuvem Shop e diretor de CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo3

Geração “Y” de consumidores demanda muita atenção de varejistas

Por: Juan Pablo Uma estratégia móvel robusta nos dias atuais CONTINUAR LENDO…

Consumidores multicanal: a nova tendência do varejo

Por: Pedro Ivo Martins O consumidor mudou, online e offline CONTINUAR LENDO…

artigo-conteudo

5 métricas fáceis de analisar que ajudam a crescer uma fan page

Por: Camila Porto As principais dificuldades apresentadas pelos empreendedores e CONTINUAR LENDO…

Deixe um comentário

O que achou do conteúdo? Compartilhe sua opinião:

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe seu e-mail aqui e receba as novidades do mercado

Calendário